Rádio Canelinha FM - Informação com credibilidade e responsabilidade.

Sabado, 24 de Fevereiro de 2024
SPEEDNET
SPEEDNET

Notícias Canelinha

Direção do hospital de Canelinha diz que polêmica em atendimento se deu por “ruído na comunicação”

Diretores afirmam, ainda, que não é possível saber o teor do que, de fato, foi dito dentro do consultório.

Direção do hospital de Canelinha diz que polêmica em atendimento se deu por “ruído na comunicação”
Reprodução
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Após a denúncia de que um médico da Fundação Hospitalar Municipal de Canelinha, teria receitado uma planta e dito para uma paciente que ela poderia “voltar para morrer em casa”, repercutir nas redes sociais, os responsáveis pela administração da unidade hospitalar se pronunciaram e trouxeram novas informações sobre o caso.

Em entrevista exclusiva para a rádio Canelinha FM, a diretora do hospital Vanderléia Rosa e o responsável técnico, Dr. Fernando Oto Santos, afirmaram que o problema pode ter sido causado por uma falha na comunicação entre médico e paciente.

“O caso aconteceu no último sábado, e tivemos que apurar pois a denúncia, em momento algum, foi feita para o Hospital ou autoridades responsáveis, e sim na imprensa. Nós não tínhamos ideia quem poderia ser a paciente. Tivemos que procurar os registros”, afirmou Dr. Fernando.

Publicidade

Leia Também:

Ainda segundo o diretor técnico, a paciente em questão possui uma doença crônica, e chegou na unidade reclamando de dores e inchaço nas pernas e pés.
“Eu tive acesso a ficha dela. Trata-se de uma senhora que tem uma doença crônica. Ela foi medicada no momento do atendimento, com medicação injetável. Acredito, inclusive, que a dor que ela estava sentindo deve ter passado momentaneamente”, comentou o diretor. 

Fernando afirma, ainda, que não é possível saber o teor do que de fato foi dito dentro do consultório, afinal, somente paciente, médico e acompanhante estavam presentes na sala.

“Nós acreditamos, e ainda estamos averiguando, que o que pode ter acontecido é que a médica possa ter prescrito esse tratamento adjuvante, a “folha-gorda”, no sentido de tentar ajudá-la. A conduta médica é de cada médico. O tratamento que ela prescreveu não é condenado pela medicina normal, é um tratamento válido, quando ele é justamente isso: complementar ao tratamento que a paciente já faz”, explicou o diretor técnico.

A diretora da Fundação Hospitalar, Vanderléia Rosa, afirma que a paciente em momento algum procurou a direção do hospital para relatar o fato, e questionar qualquer eventual situação de negligência ou conduta da profissional.

“Nós não fomos procurados. A paciente não procurou a direção do hospital em momento nenhum para conversar, ou relatar o suposto comportamento do médico. Nós estamos sempre à disposição da comunidade, e em casos como esse, o que deve ser feito é procurar imediatamente a direção. Somente assim nós poderemos, de fato, averiguar de maneira precisa todo e qualquer detalhe que possa levar a resolução de situações como essa”, comentou Vanderléia. 

 

Comentários:
unifael
unifael

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )