Rádio Canelinha FM - Informação com credibilidade e responsabilidade.

Sexta-feira, 19 de Julho de 2024
unifael
unifael

Notícias Política

Comissão entrega ao governo sugestões de reparação aos povos tradicionais atingidos na tragédia de Mariana

O documento aprovado pela Comissão Externa da Câmara dos Deputados sobre Fiscalização de Barragens foi entregue à AGU

Comissão entrega ao governo sugestões de reparação aos povos tradicionais atingidos na tragédia de Mariana
Leonardo Prado/Câmara dos Deputados
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando
Renato Araujo/Câmara dos Deputados
Célia Xakriabá afirmou que povos tradicionais vivem situação de alta vulnerabilidade na região

A Comissão Externa da Câmara dos Deputados sobre Fiscalização de Barragens entregou ao governo federal o relatório com 22 recomendações para a repactuação do acordo de reparação aos povos tradicionais atingidos pelo crime socioambiental de Mariana (MG), ocorrido em 2015. O documento, aprovado pela comissão em 12 de junho, já foi entregue à Advocacia-Geral da União (AGU), que representa o governo federal na repactuação conduzida pelo Tribunal Regional Federal (TRT) da 6ª Região.

Nos próximos dias, o relatório chegará aos ministérios dos Povos Indígenas e do Meio Ambiente. As pastas de Igualdade Racial e de Direitos Humanos também devem entrar na lista de entregas, segundo a relatora, deputada Célia Xakriabá (Psol-MG). “[O documento] vai se desdobrar agora [em sugestões] para pensar a gestão da política pública para esses povos e comunidades tradicionais”, explicou.

O relatório de 43 páginas foi concluído após audiências públicas na Câmara e visitas às Terras Indígenas Guarani e Tupiniquim, no Espírito Santo; e à Terra Indígena Krenak e à Comunidade Quilombola de Ilha Funda, em Minas Gerais. São áreas fortemente impactadas pela lama de rejeitos de minério de ferro que se deslocou pelo rio Doce após o rompimento da Barragem do Fundão, da mineradora Samarco.

Publicidade

Leia Também:

Leonardo Prado/Câmara dos Deputados
Rogério Correia defendeu que a repactuação leve em consideração as demandas específicas dos povos tradicionais

Célia Xakriabá ressalta a falta de correta consulta aos povos tradicionais sobre a repactuação dos acordos de reparação dos danos socioambientais, que seguem atormentando essas comunidades quase nove anos após o crime de Mariana. “Matar o rio Doce não foi só matar a vida do povo Krenak e dos que tinham 6 anos de idade, 10 anos de idade, e que não vão mais poder banhar naquele rio. O que fica ainda é uma alta vulnerabilidade, quando eles estão ali naquele território, mas sequer têm o direito de plantar, porque o território também está adoecido”, disse.

Principais recomendações Entre as 22 recomendações aprovadas pela comissão, estão:

garantia de consulta prévia aos povos tradicionais em todo o processo de repactuação; reconhecimento das vulnerabilidades de territórios, povos e comunidades em suas múltiplas formas; revisão de indenizações e garantia de modelo socioassistencial próprio; continuidade de ações emergenciais de fornecimento de água potável para os Krenak e do Plano Básico Ambiental dos Tupiniquim e Guarani; reconhecimento de pescadores artesanais atingidos; investigação sobre práticas danosas de advogados e escritórios de advocacia no que tem sido chamado de “advocacia predatória”, incluindo assédios e práticas ilegais no processo de indenizações.

O presidente da comissão especial, deputado Rogério Correia (PT-MG), afirmou que a repactuação deve levar em consideração as demandas específicas dos povos tradicionais, sob pena de continuidade de ilegalidades e violações de direitos. “Dos povos indígenas, quilombolas, ribeirinhos. A deputada Célia trouxe essa representatividade e foi até os locais. As pessoas passaram a ter esperança de que estão sendo ouvidas e que, portanto, qualquer repactuação tem que passar por proposta que os atenda”, afirmou.

A deputada Célia Xakriabá disse que, até o fim dos trabalhos da comissão, o relatório será acrescido dos resultados de diligências nas comunidades tradicionais às margens do rio Paraopeba, atingidas pelo crime socioambiental de Brumadinho (MG), ocorrido após o rompimento da Barragem do Córrego do Feijão, em 2019.

FONTE/CRÉDITOS: Agência Câmara Notícias
Comentários:
MACRIS
MACRIS

Veja também

SPEEDNET
SPEEDNET

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )